BACCHUS IN TROPICS – THE WINE WOMEN WORKERS IN SÃO FRANCISCO VALLEY – BRAZIL

  1. Share
  2. Share
    “O segredo para ser feliz é fazer o que você gosta e se identifica” – Josivânia Ribeiro Cruz Souza, de 30 anos, é aquela mulher “arretada” que tem mil atividades por dia. Ela vai frequentemente para a cidade de São José do Belmonte (PE), onde trabalha no Sindicato dos Trabalhadores Rurais e também para Serra Talhada, onde se encontra com o Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais do Sertão Centr…al. A líder do Movimento de Mulheres é a primeira filha de 4 irmãos, nascida na comunidade de Malhada Vermelha, zona rural da região, que desde pequena trabalha na roça com os pais. Casou-se aos 21 anos com Pedro, um antigo namorado de sua tia por quem se apaixonou e teve 1 filha, Larissa. Passado alguns anos, associou-se ao sindicato e teve total apoio do marido. Um ano após ter ingressado no sindicato, foi eleita secretária de organização e formação. Conheceu Vanete Almeida, liderança da região, que a despertou para a questão social. Dessa forma, começou o trabalho com o Movimento de Mulheres. Foi Vânia quem ajudou e orientou o primeiro grupo de mulheres trabalhadoras rurais a se unir para comprar um pedaço de terra; elas se chamam de Associação de Mulheres Disciplinadas de Baixa Verde. Esse grupo de sete mulheres estava construindo suas próprias casas na terra onde logo iria morar. Vânia sabe que as dificuldades do trabalho no campo são muitas, mas enfrenta essa questão porque gosta do ofício e com essa força, Vânia é uma referência para as mulheres da região. http://pinterest.com/pin/210613720044016925/Ver mais
  3. Share
  4. No Brasil, como o alistamento militar é obrigatório para os homens aos 18 anos, eles adquirem os documentos civis mais cedo do que as mulheres. Além disso, na área rural, devido às migrações de uma região para outra, os homens possuem mais documentos do que as mulheres. As constantes viagens para o Sudeste do país em busca de trabalho eram um fator determinante para que os homens adquirissem os documentos. Quem fosse para São Paulo ou Rio de Janeiro sabia que, além do título de eleitor e da certidão de reservista, era necessário providenciar as carteiras de identidade e de trabalho.
    A ausência de documentos torna mais grave a privação material e social e é responsável por uma série de sofrimentos, constrangimentos aos quais as mulheres são submetidas quando elas se deparam com os mecanismos regulamentadores dos processos de natalidade, fecundidade, longevidade e mortalidade. Vale salientar, contudo, que as mulheres não aceitam com passividade esses mecanismos; elas resistem, pressionam, buscam saídas e inventam estratégias.Com a conquista de direitos sociais e a municipalização das políticas sociais, a partir do final década de 1980, as mulheres rurais passaram a lidar mais diretamente com as exigências legais de documentação civil e profissional para terem acesso a políticas e programas sociais.
    fonte: Vida de agricultoras e histórias de documentos no Sertão Central de Pernambuco, Rosineide de L. Meira Cordeiro, Universidade Federal de Pernambuco – http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2007000200012
  5. Share
    analisar as dificuldades e as estratégias que as mulheres utilizam para cumprirem as exigências legais de comprovação do trabalho na agricultura familiar através de documentos civis e profissionais
  6. Share
  7. BRASIL INOVA NA PRODUÇÃO DE VINHOS TROPICAIS
    Graças ao clima quente e seco do Nordeste,a colheita da uva acontece o ano todo, ao contrário das regiões mais frias e tradicionais de cultivo, onde há apenas uma safra por ano.Por se tratar de uma experiência única, a produção de vinho na Região de Petrolina (PE) é hoje uma referência mundial, mas ainda assimnão cessaram os investimentos em pesquisa ea busca de uma variedade de uva que se adapte melhor às peculiaridades do clima. fonte: 
    fonte: FINEP –http://www.finep.gov.br/imprensa/revista/segunda_edicao/05_Brasil inova na produção de vinhos tropicais.pdf
  8. Share
    Globo Reporter Vinho & Saude 17.12.2010 parte 04 http://www.tamoligado.net
  9. Share
  10. O pessoal para o trabalho na indústria do vinho, sobretudo os enólogos, é recrutado no Sul do país e até mesmo no exterior e, recentemente, vem sendo formado na própria região. Para as atividades de campo, devido ao fato de no local existir o grande polo nacional de fruticultura irrigada, inclusive de produção de uva, encontra-se com facilidade mão-de-obra especializada para cada etapa do processo produtivo (CAVALCANTI et al., 2008) e também diferenciada por gênero para as diferentes tarefas. (CAVALCANTI; SILVA, 2008). A contratação é feita diretamente pelas empresas ou com a intermediação de empreiteiros. O sindicato de trabalhadores rurais tem exercido forte presença na fiscalização das condições de trabalho e na negociação salarial, por meio de dissídios coletivos, e também na regularização de direitos trabalhistas.

  11. A existência de vinícolas no Vale do Rio São Francisco, região do semi-árido, seria encarada anos atrás como uma espécie de lenda, um mito, como o Nego d´água, a Rasga Mortalha e a Mãe da Lua, esses personagens que habitam a memória dos antigos moradores das barrancas do rio. Mas de fato elas existem, as primeiras instalaram-se nos anos 80 na região, próximas à cidade de Petrolina, no estado de Pernambuco, favorecidas por um projeto de irrigação utilizando as águas do Velho Chico.” – Matéria no Estadão, fonte: http://blogs.estadao.com.br/olhar-sobre-o-mundo/vale-do-sao-francisco/

  12. Enquetesobre “..
    como o Nego d´água, a Rasga Mortalha e a Mãe da Lua, esses personagens que habitam a memória dos antigos moradores das barrancas do rio..” – alguém saberia me contar algo sobre estas lendas? – incluir enquete Facebook
    link para fan page – https://www.facebook.com/baconostropicos
  13. Por que o desenvolvimento rural sustentável?

    Desenvolvimento rural sustentável representa um esforço em reunir aspectos complementares do processo de desenvolvimento, com foco na equidade socialeconômica e ambiental. Neste contexto, o diálogo entre diferentes áreas de intervenção pública é primordial. Há um crescente interesse em abordagens multi-dimensionais como caminhos indispensáveis para enfrentar os desafios atuais do planeta.Nossa principal preocupação é analisar a inter-secções no âmbito de políticas que permitam um impacto mais amplo e mais coordenado na vida das pessoas, especialmente de grupos marginalizados. Assim, as políticas que conciliam diversas agendas, tais como gênero e mudança climáticapobreza e meio ambienteinclusão produtiva e de distribuição de alimentos, estão no cerne de nossas atividades. – Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo.

  14. A Região

  15. Share
  16. A História das Vinícolas

    Com 800 hectares de uvas viníferas, o Vale do São Francisco responde por 30% da produção nacional. Das 12 vitivinícolas instaladas na região, 11 são de Pernambuco. É a única área vinícola do mundo situada em clima semi-árido. O mérito é do enólogo gaúcho Ineldo Tedesco, que desembarcou no Sertão pernambucano, nos anos 80, com a missão de produzir vinhos no Vale do São Francisco. Enólogo, descendente de imigrantes italianos com tradição no cultivo de uvas viníferas e produção artesanal de vinhos na região do Rio Grande do Sul, trabalhou em vinícolas como: Cooperativa Tamandaré, Heublein do Brasil e Maison Forestier. Sendo nesta última, em 1984 que testou uvas do Vale do São Francisco elaborando vinhos que comprovaram as excelentes qualidades da região,demonstrando a tendência de um futuro pólo vitivinícola. A partir daí, formou-se uma parceria entre Maison Forestier e a Fazenda Milano-Santa Maria da Boa Vista-PE, sendo Tedesco transferido para prestar assistência técnica na elaboração dos vinhos.

    ANOS 80
    Fundada em 1984, a vinícola Vale do São Francisco originou-se do primeiro projeto de irrigação do Vale do São Francisco implantado em 1972 , idealizado por Sr Francesco Pérsico e implantado por Jose Gualberto Almeida: a Fazenda Milano colocou sua primeira marca no mercado, “VINHAS DA MILANO”. Vinho Assemblage com a extraordinária adaptação dos varietais introduzidos. E, em 1985, produziu e lançou no mercado do Nordeste o primeiro vinho do Vale do São Francisco, chamado Vinhas da Milano, atualmente Botticelli.A VVSF lançou a marca Botticelli em 1986, composta por vinhos100% varietais. Em 1989 a primeira grande conquista, o CABERNET SAUVIGNON foi considerado o melhor tinto Nacional, logo em seguida o Chenin Blanc obteve no mesmo concurso a segunda colocação entre os brancos, sinal que o trabalho estava orientado de maneira correta. 

    ANOS 90
    A década de 90 reservava algumas surpresas para a vitivinicultura nacional, porem a VVSF consegue estabelecer-se e transformar a marca Botticelli em uma das mais importantes do Brasil. A pesquisa continuava sem parar, com varietais de todo mundo, procurando novos lançamentos para o mercado. Em 1991, adquiriu juntamente com sua esposa, Izanete Bianchetti Tedesco, também enóloga, uma propriedade em Lagoa Grande-PE, onde em 1993, iniciaram o plantio de uvas de mesa. Em 1995, plantaram uvas viníferas e, em 1998 foi elaborado e lançado no mercado o primeiro vinho com a marca BIANCHETTI, um tinto fino seco Cabernet Sauvignon, sendo a concretização do sonho do casal de enólogos.

    ANO 2000
    Quase dez anos depois lançamos excelentes novidades: em 2002 O Asti Botticelli e o Primeiro da linha COLEÇÃO Petite Syrah. Em 2003 gratas surpresas: RUBY CABERNET e TANNAT, dois vinhos que vieram ratificar a condição de pioneirismo e o compromisso da pesquisa contínua, já em 2004 o lançamento do espumante BRUT BOTTICELLI. Em 2008 serão mais quatro lançamentos, uma linha de vinhos de assemblage, composta por três vinhos e mais um Cabernet Sauvignon Premium. 

    ANO 2010

  17. Share
    TV Experimentare Gastronomia apresenta – Vinícola Botticelli – Vale do São Francisco
  18. A Tecnologia

  19. Os Dados

  20. Share
    Dia de Campo na TV – Vinhos tropicais: produção e qualidade
  21. Os Trabalhadores Rurais

    A partir da construção de uma rodovia de 72 km, que vai de Lagoa Grande a Santa Maria da Boa Vista, o pólo atraiu olhares dos investidores. A idealização da bianual Festa da Uva e do Vinho, em Lagoa Grande, também traz empresários para a região, inclusive estrangeiros. Tradicionais produtores de vinhos, como franceses (Ducos), portugueses (Dão) e italianos (Sereníssima), trataram de garantir seus quinhões de terra na região. Em duas décadas de atividade, a região se transformou no segundo pólo de vinhos do Brasil. Produzindo cerca de 12 milhões de litros de vinhos finos, o Vale fatura R$ 30 milhões por ano e gera 2,4 mil empregos, o que mudou a vida da população local, principalmente das mulheres.  
  22. Share
  23. As Curiosidades

  24. Share
  25. Share
    Rural Meio-Dia – 21 02 2012 – Escola de samba conta a historia do vinho … – tinyurl.com/7f5cmky #clicRBS
  26. Você pode ajudar a contar mais histórias. Apoie o projeto

     direcionar para crowdfunding

  27. A Cultura – Manifestações Populares, Tradições, Dança, Música, Literatura

  28. A Gastronomia da região

  29. Share
    Leciane Lima – Culinária Regional Bode ao Vinho
Anúncios

Sobre baconostropicos

From the women land worker´s viewpoint a documentary on recent wine production in the tropics unique in the world with at least three annual harvests, held in the Valley of the São Francisco River that shows the impact of this agriculture growth in the economy and culture of such impoverished area,
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s